11 maio 2015

Curso Completo de Violão e Guitarra - Versão 2015

 APRENDA A TOCAR VIOLÃO E GUITARRA DE MODO RÁPIDO E SEM COMPLICAÇÕES, ESTUDANDO EM CASA NAS HORAS VAGAS!

 CURSO COM SUPORTE ONLINE, CARTEIRA DE ESTUDANTE E CERTIFICADO DE CONCLUSÃO


Você quer fazer um curso de violão e aprender rapidamente, mas não tem tempo para frequentar uma escola de música? Você procura um curso de guitarra sem aquelas teorias cansativas e que lhe ensine a tocar sem complicações? Então, você precisa conhecer o CURSO COMPLETO DE VIOLÃO E GUITARRA ARTMAIA, que é sucesso de vendas no Brasil e na Europa e está disponível em nosso site www.artmaiashop.com.
 

O CURSO COMPLETO DE VIOLÃO E GUITARRA da ArtMaia é sem dúvida o maior e melhor material de estudos musicais já disponibilizados no Brasil. O Curso foi elaborado para oferecer todas as informações necessárias passo a passo para quem está iniciando, ou mesmo para quem já toca um pouco e quer aprimorar os seus conhecimentos. São aulas teóricas e práticas, explicadas através de textos leves e detalhados, fotos e gráficos coloridos exclusivos divididos em 10 livros digitais com mais de 850 páginas e você ainda conta com o suporte do PROFESSOR ON-LINE para esclarecer todas as suas dúvidas. Você estuda nas horas vagas, e no final do curso após enviar a sua avaliação geral receberá o CERTIFICADO DE CONCLUSÃO atestando que você concluiu os seus estudos com sucesso.
Adquirindo o CURSO COMPLETO DE VIOLÃO E GUITARRA você receberá o seguinte material de estudos juntamente com o manual do estudante:
CURSO DE VIOLÃO E GUITARRA (7 módulos em formato E-books com 370 páginas coloridas, com aulas teóricas e práticas, exercícios, testes e gabaritos para correção ) – Nível Básico
CURSO DE VIOLÃO (1 Módulo com 285 páginas coloridas, contendo todas as informações e aulas necessárias para você aprender a tocar rapidamente) – Nível Básico e Intermediário
CURSO PRÁTICO DE GUITARRA (1 módulo de Teoria e Pratica de Guitarra com exercícios para você se transformar em uma fera no assunto)
APOSTILA DE GUITARRA (Técnicas e exercicios de nível intermediário)
CURSO BÁSICO DE HARMONIZAÇÃO (Módulo Apostilado Digital - Nível Intermediário)
ESCALAS E MODOS GREGOS (Módulo de estudos teóricos e práticos com explicações detalhadas sobre as escalas musicais e modos gregos.)
COMO TIRAR MÚSICAS DE OUVIDO (Módulo Apostilado com explicações e dicas básicas)
MODOS GREGOS (Módulo apostilado com explicações e exemplos).
CURSO DE TEORIA MUSICAL (Apostila com explicações passo a passo)
APOSTILA TEÓRICA E PRÁTICA PARA VIOLÃO, GUITARRA, BAIXO, BATERIA E GAITA (Módulo apostilado contendo explicações teóricas e práticas)
APOSTILA DE VIOLÃO - NOÇÕES BÁSICAS (Apostila prática com explicações sobre ritmos, tablaturas, efeitos, acordes e outros assuntos que fazem parte do vocabulário básico de todo instrumentista).
TEORIA MUSICAL PARA INICIANTES (Módulo apostilado com explicações e exercicios)
O BÁSICO DA TEORIA MUSICAL (Apostila com os assuntos que você precisa saber para ler partituras).
PÁGINAS PARA EXERCÍCIOS E ANOTAÇÕES MUSICAIS (Vários modelos com tablaturas, partituras e acordes em branco para o aluno imprimir e utilizar em exercicios e anotações)
2000 TABLATURAS PARA EXERCICIOS 
VÍDEO AULAS SELECIONADAS (ÁREA VIP)
57 AULAS GRAVADAS COM EXPLICAÇÕES PASSO A PASSO
AFINADORES (2 Afinadores virtuais para você afinar o seu instrumento, utilizando o seu PC) 
LIVRO DE REPERTÓRIO MUSICAL
METRÔNOMO VIRTUAL 
DICIONÁRIO DE ACORDES
EDITOR DE TABLATURAS
EXERCÍCIOS MUSICAIS CIFRADOS
SENHA DO SUPORTE PROFESSOR ON-LINE
SENHA DO FÓRUM ÁREA VIP ARTMAIA
CARTEIRA DE ESTUDANTE
CERTIFICADO DE CONCLUSÃO
  Nossos alunos recebem também uma senha de acesso a exclusiva ÁREA VIP ARTMAIA, onde disponibilizamos um grande material de apoio aos estudos, como vídeos, exercícios, etc..

Veja abaixo o programa de aulas do curso:
O Principiante / O violão / A Guitarra / As cordas / O agudo e o grave / A mão direita / A mão esquerda / Exercícios / Escalas e notas musicais / Acordes / Cifras / O tom maior e o tom menor / Anatomia do Violão / Cuidados com o instrumento/ A postura / Técnicas da mão esquerda/ A palheta/ Como usar a palheta / Os acordes básicos / Tipos de palhetas/ Exercícios para a mão direita / Exercícios com palheta/ Exercícios para a mão esquerda/ Ritmos/ A Pestana/ Acordes com pestana /Efeitos eletrônicos / Anatomia da guitarra / Os captadores / Afinação / Solos práticos / Os tons e os semitons / localização das notas no braço do instrumento / Conceitos básicos sobre a música/ O acompanhamento/ O sustenido/ O bemol/ A escala diatônica/ A escala cromática/ Os ritmos mais usados/ Seqüências rítmicas/ Os graus da escala/ A teoria dos três acordes/ Tablaturas/ Os acordes na tablatura/ O dedilhado na tablatura/ As dúvidas mais comuns/ Como trocar as cordas/ Como melhorar a ação das cordas/ Escalas/ Entendendo as escalas maiores/ Construindo as escalas maiores/ Cromatismo/ Exercícios de cromagem / O mapa das notas/ Como obter notas oitavadas/ Transportando acordes com pestana/ Exercícios de prática de escalas/ A teoria da construção dos acordes/ Músicas cifradas/ Transporte de tonalidade/ Progressão de acordes/ Intervalos/ Classificação e análise dos intervalos/ Intervalos compostos/ Escala menor natural/ Tríades/ estudando a construção de tríades/ Padrões de dedilhados/ Seqüências dedilhadas/ Acordes relativos/ Notas enarmônicas/ Ritmos Brasileiros/ Trocando as cordas da Guitarra/ Técnicas de Solo/ Hammer-on/ Pull off/ Bend/ Slide/ Dicas, exercícios e tablaturas/ Curiosidades musicais/ O tom de uma música/ Os acordes principais de um tom/ Pequeno dicionário de acordes/ Padrões rítmicos/ Dedilhados e levadas/Tríades / Escalas / Campo Harmônico / Harmonização / Inversões / Digitações / Padrões Melódicos / Padrões rítmicos / Princípios de harmonia / Formação de Acordes / Acordes Dissonantes / Estilos musicais / Como tocar Intervalos / Como ler e entender as partituras / Exercícios e Dicas / Variações do bordão / Ritmos e acompanhamento / Técnicas instrumentais / Escalas Pentatônicas / Músicas e Tablaturas / Substituição de Acordes, Improvisos, etc…
Se você não sabe tocar Violão ou Guitarra, ou sabe muito pouco e quer aprender de verdade, através de um curso feito na medida certa para você, venha estudar conosco!O GRUPO ARTMAIA MUSIC, tem 12 anos de existência, com mais de 15.000 alunos cadastrados! Entre hoje mesmo para o maravilhoso mundo da música.


 Para adquirir o CURSO COMPLETO DE VIOLÃO E GUITARRA e começar a estudar ainda hoje, faça agora o seu pedido (Clique aqui) e pague através do Uol- PagSeguro com frete grátis para todo o Brasil. Para a sua comodidade, aceitamos todas as formas de pagamento: Depósito identificado, Boleto, Transferência e Cartão de Crédito, e oferecemos 10% de desconto para pagamentos via depósito bancário.

O Curso de Violão e Guitarra mais completo do Brasil, agora com preço promocional por poucos dias!  




27 abril 2015

Curso de Violão - Dicas de estudos


Procure sempre um lugar calmo e quieto para estudar, e não use nenhum tipo de efeito em seu violão, durante seus aprendizados iniciais, pois, os efeitos podem mascarar seus erros.

Execute tudo bem devagar até que você decore as digitações, depois, vá aumentando a velocidade gradativamente até o seu limite. Se possível, utilize um metrônomo durante o estudo. Quando você errar, não continue do ponto onde parou, recomece o exercício desde o inicio sempre, isto garante que você supere o erro e fixe melhor todo o movimento. Nunca desanime, lembre-se, ninguém nasceu sabendo. 

Curso de Violão - Cordas de aço ou cordas de nylon?


 Se você ainda está iniciando, recomenda-se o uso de um violão que utilize cordas de nylon. Isso porque é um material, um pouco mais “suave” que o aço, o que reflete também em seus timbres, deixando o instrumento mais aveludado. O nylon estimula o desenvolvimento das técnicas de dedilhar, pois “cansa“ menos a mão, e costuma ser utilizado por músicos que tocam choro, MPB, erudito ou qualquer estilo que peça uma sonoridade menos estridente.

   Já as cordas de aço são recomendadas para aqueles que querem tocar estilos mais intensos, como rock, sertanejo e funk. Por serem mais grossas, normalmente são tocadas com palhetas, o que não impede que um violonista dedilhe, basta estar mais calejado. A manutenção dessas cordas costuma ser mais constante que as de nylon, também, por isso, dependendo do uso, elas devem ser trocadas mensalmente.

    Uma regra é fundamental para todos os tipos de violão: se você comprou um instrumento que use cordas de nylon, APENAS utilize esse tipo de corda. Cordas de aço estragariam facilmente o violão, por criarem uma tensão maior, empenando o braço do  violão.


24 março 2015

Aprenda a tocar violão e guitarra sem sair de casa, com material de estudos exclusivo!

Você quer aprender a tocar violão e guitarra em pouco tempo de modo rápido e sem complicações, e saber tudo o que é preciso para se tornar uma fera nesses instrumentos musicais e ainda contar com o suporte do Professor On-line para esclarecer todas as suas dúvidas, mas não tem tempo para freqüentar uma escola de música convencional? Se a sua resposta for afirmativa, você precisa conhecer o Grupo ArtMaia (www.artmaia.com) , que é especializado no ensino musical a distância. Com 12 anos de experiência formando talentos em todo o Brasil! Para conhecer nossos cursos acesse:


16 março 2015

Curso de Violão e Guitarra - Como manter o seu violão em perfeitas condições


   No artigo de hoje iremos ver algumas dicas e técnicas para manter o violão sempre em perfeitas condições. Você sabia, que certos costumes ajudam a preservar o seu violão e deixá-lo sempre em bom estado para uso? Você sabia também, que manter o violão afinado, além de ser obrigatório para o estudo (e bom para os ouvidos), mantém a estabilidade do mesmo? Seu violão pode durar anos e mais anos com muita qualidade só por causa disso!
   Por acaso você está se perguntando, o que a ver a afinação do meu violão, com o estado de conservação dele? E eu respondo: Tem tudo a ver, pois as cordas, quando fazem muita pressão sobre o braço do violão, aos poucos vão tirando-o de sua posição original, ou seja, a tensão das cordas pode literalmente entortar o braço de seu violão. Esse fenômeno é conhecido como “empenar”.
Fora essa dica, é fundamental você deixar sempre um pedaço de pano (serve uma camiseta velha de algodão) ao lado do seu instrumento, pois é sempre bom limpar as cordas durante um treino e outro. (todos os dias depois que você utilizar o seu violão, procure passar um pano nas cordas).
Mesmo que você não perceba a marca de suor nas cordas, passar um paninho nelas garante uma durabilidade muito maior, pois existem outros fatores que desgastam as cordas do seu violão, um deles pode ser a umidade.
Caso você tenha problemas de transpiração excessiva, esse processo deve ser feito várias vezes durante o estudo, alguns minutos de suor excessivo sobre o seu violão, podem causar danos no verniz e nas cordas, oxidação prematura.
Procure também sempre limpar bem as mãos antes de tocar, gordura, oleosidade e até mesmo pedacinhos de chocolate, consumido durante o almoço, podem se transformar em uma grande sujeira e, desta forma, alterar o som e a higiene do violão. Agora que você já tem uma noção melhor de como cuidar bem do seu violão, deixe-me falar sobre outros fatores que prejudicam e muito a vida útil do seu companheiro!

Temperatura e umidade


A madeira, por ser um material orgânico, tende a trabalhar de acordo com as variações de temperatura e umidade. Já que este último entrave não pode ser controlado, é preciso ficar atento a possíveis rachaduras que podem surgir por causa dessas mudanças. Isso é comum em violões construídos com jacarandá-da-bahia, pois é um material com estabilidade relativa, apesar de possuir excelente sonoridade.
Além disso, é necessário redobrar a atenção com as altas temperaturas. Elas podem trincar tampos e rachar laterais e fundos, além de empenar o braço do violão.

Transporte


Esta tarefa parece muito simples. Mas, se não for feita de maneira adequada, pode acarretar muitos problemas. O transporte mal executado, com batidas e chacoalhadas, danifica o instrumento. Por isso, se o proprietário não possuir nenhum bag (capa) ou case, a melhor maneira de carregá-lo é junto ao corpo. Assim, o violão fica em uma posição mais segura.

Concluindo


Memorizar todas as dicas desta aula não é uma tarefa difícil, sendo assim, você sempre deve ter consciência e responsabilidade que o investimento feito ao comprar o violão, não deve ser perdido com o passar do tempo.
O cuidado com o próprio instrumento, além de garantir que ele esteja sempre em boas condições de uso, mantendo a integridade física, a performance e afinação, garantirá maior durabilidade. Há diversos músicos que mantêm, em ótimo estado, instrumentos da década de 70, 60 e até mesmo 50.

Fonte: Guitar Classroom 

12 fevereiro 2015

Curso de Violão e Guitarra - Cuidados Essenciais


  Mantenha seu violão ou sua guitarra limpos, sem poeira; limpe as cordas com uma flanela cada vez que terminar de tocar (existem também líquidos anticorrosivos à venda nas lojas); evite calor, luz, sol, umidade. Não vai tocar, estojo, pelo menos um "bag". Está tocando mas vai descansar, suporte - chão, nunca! Quanto mais próximo você se tornar do instrumento, mais rápido melhorará seu desempenho. 

13 janeiro 2015

Improvisação - Dicas essenciais


Vamos tratar de um assunto muito legal para qualquer músico ou aspirante: a improvisação.

O estilo mais aberto à improvisadores é sem dúvida o Jazz, pois além de dar espaço, a cada música a sua construção toda engloba muitos acordes e escalas diferentes.

Já o Rock limita o uso dos mesmos. Há composições onde só uma escala (pentatônica) está em uso. Apesar de que  na maioria das vezes a guitarra é usada para músicas deste gênero.

Músicos eruditos geralmente reclamam de não saberem improvisar. Isso é porque a partitura lhes gerou dependência e só tocam o que leem na frente. Pensando nisso, elaboramos algumas dicas importantes para fazer uma improvisação.

Aqui vão algumas dicas essenciais para você chegar lá:

·        Em seu instrumento não se limite a tocar sua frase musical sempre começando do grave para o agudo, use linhas melódicas que combinem movimento descendente e ascendente.

·        Não se restrinja ao registro médio ou à região mais confortável de seu instrumento, explore-o totalmente.

·        Não fique caçando notas. Memorize a escala a ser usada por toda a extensão do seu instrumento até tocá-la com naturalidade deixando sua mente livre para o desenvolvimento melódico.

·        Varie a dinâmica. Tem momentos para tocar mais fraco, mais forte, mais suave ou agressivo. Não toque sempre do mesmo jeito.

·        Use uma variedade de articulações (ligaduras, bends, etc). Não toque sempre "staccato".

·        Concentre-se em ouvir mentalmente a nota antes de tocá-la. Isso requer antecipação e controle constante. Esta é a parte mais difícil, requer muito estudo, paciência e total controle do instrumento para que aquilo que você cantou na mente flua pela suas mãos.

·        Procure controlar tensão e resolução. Seu solo deve ser como uma história com começo e fim, deve ter um senso de direção.



11 dezembro 2014

Curso de Violão e Guitarra - Dedilhados (Parte 01)


 Com certeza, você já viu, ou até mesmo já tocou com palheta em um violão, ou o contrário dedilhou em uma guitarra. Pela semelhança de afinação, acordes, técnicas, etc, entre esses dois instrumentos, é muito comum à troca de idéias desse dois universos. Talvez um pouco disso venha da lenda de que para aprender guitarra primeiro você tem que aprender violão, assim, muitos guitarristas acabam transpondo certos conceitos utilizados no violão para a guitarra.
Mesmo que você não tenha sido iludido pela tal lenda, é essencial que você como guitarrista, saiba dedilhar. Muitas músicas clássicas foram concebidas através de um dedilhado, como, por exemplo, Stairway to Heaven, do Led Zeppelin e Nothing Else Matters, do Metallica (top dos dedilhados), assim como outras que usam os dedos não para dedilhar, mas sim para criar uma levada diferente, para isso podemos citar More Than Words do Extreme ou então qualquer tema de Bossa Nova, MPB, etc.
A base de todo dedilhado é o desenvolvimento de independência de movimentos entre o polegar e os demais dedos da mão direita. Existem vários tipos avançados de dedilhados, mas aqui irei explicar apenas um dos mais simples e mais usados, que consiste em tocar os bordões, as cordas E, A e D com o polegar, e cada um dos dedos restantes, (com exceção do dedo mínimo, que é raramente usado) tocar uma corda, o indicador toca a 3ª corda (G), o médio a 2ª corda (B) e o anular a 1ª corda (E).
 Dependendo da situação, se houver necessidade o indicador pode a tocar a 4ª corda (D), o médio a 3ª corda (G), o anular a 2ª corda (B).
A posição da mão deve ser sempre confortável, sendo uma das mais indicadas à mão em posição de concha, deixando os dedos apoiados sobres às cordas de maneira que os dedos não entrem muito entre elas.
Assim como a mão esquerda, os dedos da mão direita também recebem siglas:

Polegar = P
Indicador = I
Médio = M
Anular = A


Essa nomenclatura nos ajuda a escrever um dedilhado, por exemplo:

P
I
M
A
M
I

Ele indica que devemos tocar o polegar, depois o indicador, o médio, o anular, o médio e o indicador. E como se fosse uma batida, fecha-se um ciclo, mudando para outro acorde ou repetindo o anterior. 

Quando por exemplo, vermos duas ou mais letras juntas, devemos tocar as cordas respectivamente de cada dedo simultaneamente. 

P
I - M - A
P
I
M - A
I


Abaixo nós teremos alguns exercícios utilizando alguns dedilhados bem básicos.  Simbolizei a nota que o polegar deve tocar com um circulo negro e as 3 cordas para os dedos restantes com um semicírculo.


Exemplo 01


 Exemplo 02


Exemplo 03 




10 novembro 2014

Curso de Violão e Guitarra - Tipos de Escalas


A Escala Maior

A Escala Maior é a mais importante de todas, pois a partir dela, obtemos todas as outras escalas. A fórmula para obtermos essa escala é:

Tônica - 2ª - 3ª - 4ª - 5ª - 6ª - 7ª - Oitava

Os intervalos são:
Tônica --1 tom--> 2ª --1 tom--> 3ª --1/2 tom--> 4ª --1 tom--> 5ª --1 tom--> 6ª --1 tom--> 7ª --1/2 tom--> 8ª

Exemplos:
1 - se a tônica for C (Dó), temos: C D E F G A B C (Escala Maior de Dó).
2 - se a tônica for A (Lá), temos: A B C# D E F# G# A (Escala Maior de Lá).

Aplicando na guitarra:

1- Escala Maior de Dó:

e-----------------------------------------
B-----------------------------------------
G-----------2-4-5-------------------------
D-----2-3-5-------------------------------
A-3-5-------------------------------------
E------------------8-10-12-13-15-17-19-20-
1 3 1 2 4 1 2 4 1 2 4 1 2 4 1 2

ou

2- Escala Maior de Lá:

e-----------------
B-----------------
G-----------------
D-------------6-7-
A-------5-7-9-----
E-5-7-9-----------
1 2 4 1 2 4 1 2


Estes são apenas alguns exemplos de possibilidade de patterns (seqüências prontas) para a Escala Maior. Note que você pode aplicá-la em qualquer lugar do braço, colocando a tônica em posições diferentes (ex: C no 8º traste da E grave ou 1º traste da B).

É importante não ficar viciado em padrões "sobe-e-desce" da escala, pois isso limita sua criatividade na hora de escrever os licks. Tente improvisar sobre a escala de diferentes formas. Esta escala soa bem sobre os acordes maiores e tem uma sonoridade "alegre". É muito utilizada em rock, country, jazz e fusion.

A Escala Menor

A Escala Menor é a Escala Maior com bemóis na 3ª, 6ª e 7ª. Logo, a sua fórmula é:

Tônica - 2ª - 3ª b - 4ª - 5ª - 6ª b - 7ª b - Oitava
Os intervalos são:

Tônica --1 tom--> 2ª --1/2 tom--> 3ª b --1 tom--> 4ª --1 tom--> 5ª --1/2 tom--> 6ª b --1 tom--> 7ª b --1 tom--> Oitava
Exemplo:

Escala Menor de Fá: F G Ab Bb C Db Eb F

Aplicando na Guitarra: Fá Menor 

e--------------------
B--------------------
G-------------6-8-10-
D------6-8-10--------
A-8-10---------------
E--------------------
1 3 1 2 4 1 2 4

Novamente (aliás, sempre), você pode criar quantos patterns quiser sobre a escala: basta tocar em lugares diferentes do braço. Quanto a sonoridade, essa escala soa mais melancólica, é muito utilizada nos mais diferentes estilos (pop, blues, rock, fusion, country e heavy metal) e é tocada sobre acordes menores.

Uma nota importante a se fazer é o fato de toda Escala Maior ter uma relativa Menor e vice-versa. Para descobrir qual é a relativa Menor, observe a 6ª nota da Escala Maior (ex: relativa menor de C é A); para a relativa Maior, veja a 3ª da Escala Menor (ex: relativa maior de D é F).

Escala Pentatônica Menor

Junto com a Pentatônica Maior, é a escala mais simples que você pode aprender. São apenas cinco notas . mas que soam muito bem e, pelo que me consta, é a escala mais utilizada em toda a história da guitarra elétrica. Alguns mestres nessa escala: Stevie Ray Vaughan, Eric Clapton, Jimmy Page e, claro, B.B. King e Jimi Hendrix.

É uma escala fácil de se tocar porque, como o número de notas é menor, a margem de erro no improviso também é menor. A fórmula é:


Tônica - 3ª b - 4ª - 5ª - 7ª b – Oitava

Exemplo: Penta Menor de E 

e------------------------------------
B----------12-15b17--b17r15-12-------
G----12-14---------------------14----
D-14------------------------------14-
A------------------------------------
E------------------------------------
3 1 3 1 2 2 1 2 2


A escala é aplicável em quase todos os estilos musicais e soa bem sobre acordes Menores, Menores com 7ª ou com 7ª Dominante


Escala De Blues

Como o próprio nome já diz, é muito usada em blues. Trata-se de uma Pentatônica Menor com uma 5ª Menor incluída. Logo:

Tônica - 3ª b - 4ª - 5ª b - 5ª - 7ª b – Oitava

Exemplo -- Blues em E: E G A Bb B -D E

Na guitarra, temos, em E:

e-17-15----------------------------------
B-------17-15----------------------------
G-------------16-15-14-12-14b16-14-12----
D-------------------------------------14-
A----------------------------------------
E----------------------------------------

Tocamos essa escala sobre acordes Menores, Menores com 7ª, Menores com 9ª, 7ª Dominante e 9ª Dominante.

Escala Pentatônica Maior

Essa escala é muito usada em country devido a sua sonoridade característica. Para obtê-la, utilizamos a mesma fórmula de construção do acorde Maj6/9:

Tônica - 3ª - 5ª - 6ª - 9ª - Oitava ou, se você preferir (é a mesma coisa): Tônica - 2ª - 3ª - 5ª - 6ª - Oitava

Exemplo -- Penta Maior de F: F G A C D F

Aplicando na guitarra, em F:

e----------------------------
B----------------------------
G----------------------------
D---------8-10b12-12---------
A-8-10-12------------12-10-8-
E----------------------------
1 2 4 1 2 4 4 2 1

É tocada sobre os acordes Maiores, Maiores com 7ª e com 7ª Dominante

Escala Menor Harmônica

É uma escala derivada da Escala Menor Natural. Apenas adicione um sustenido na 7ª:

Tônica - 2ª - 3ª b - 4ª - 5ª - 6ª b - 7ª - Oitava

Exemplo -- Menor Harmônica em A: A B C D E F G# A

Aplicando no braço:

e---------------------
B---------------------
G---------------------
D-----------------6-7-
A-------5-7-8-7-8-----
E-5-7-8---------------
1 2 4 1 2 4 2 4 1 2

Sua sonoridade é bem próxima a da Escala Menor Natural. Cai muito bem em solos rápidos estilo Yngwie Malmsteen (ouça esse cara tocar se você não o conhece ainda!).


Escala Melódica Menor

Esta escala é muito diferente das outras até agora. Ela se caracteriza por ter duas configurações diferentes, uma quando ascendendo e outra quando descendendo. Quando ascendendo, temos uma Escala Menor Natural com suas 6ª e 7ª sustenidas (assim, apenas a 3ª bemol a diferencia da Escala Maior).

Já descendendo, tocamos a Escala Menor Natural, sem nenhuma alteração:

Ascendendo: Tônica - 2ª - 3ª b - 4ª - 5ª - 6ª - 7ª - Oitava

Descendendo: Tônica - 2ª - 3ª b - 4ª - 5ª - 6ª b - 7ª b – Oitava

Exemplos:

Ascendendo em Melódica Menor de A: A B C D E F# G# A
Descendendo em Melódica Menor de A: A B C D E F G A

Na guitarra, em A:

e---------------------------
B---------------------------
G---------------------------
D-------------6-------------
A-------5-7-9---8-7-5-------
E-5-7-8---------------8-7-5-
1 2 4 1 2 4 1 4 2 1 4 2 1

Treine bem essa escala, pois é um pouco complicado de pegar o jeito no começo. Depois, quando tiver prática, ela é muito legal para solos rápidos, tipo Speed Metal.


09 setembro 2014

Curso de Violão e Guitarra - Introdução a Escala Maior



  A Escala Maior é também chamada Escala Diatônica e está presente na maioria das músicas ocidentais. Tomaremos como base a escala de C maior por se tratar de uma escala que não contém acidentes (sustenido / bemol). 


Na escala acima podemos ver um padrão de distância entre as notas: tom, tom, ½ tom, tom, tom, tom, ½ tom. Portanto para se montar uma escala maior, deve se manter a estrutura intervalar da escala maior de Dó nas outras escalas.

Exemplos:

Escala de G maior



Escala de E maior

Escala de F maior


 Escala de Bb maior


Veja agora alguns desenhos da escala maior, de uma oitava em C, nas cordas E, A, D, G.