03 junho 2015

Anatomia de um violão


   Os violões são a ferramenta perfeita para performances de composições e improvisos e os melhores exemplos têm uma ressonância e uma complexidade sonora que podem ser alcançadas por poucos instrumentos. Enquanto a maioria dos violões é feita em fábricas, há luthiers (fabricante de violões) em quase todos os países. Se você tiver a chance de experimentar um violão feito à mão, perceberá que ele tem uma riqueza extra de timbre do som que você não encontrará em muitos violões produzidos em fábrica. A atenção dada aos detalhes destes instrumentos tem um preço, mas, se você decidir investir em um, ele irá lhe servir satisfatoriamente para a vida toda. 


    Quando um violão é dedilhado, a vibração das cordas é transmitida da ponte (cavalete) ao tampo. A superfície ampla e flexível do tampo vibra junto com as cordas e faz o ar ao redor do violão movimentar-se, gerando o som. As outras partes do violão com caixa de ressonância também ajudam a projetar o som. Por este motivo, um violão tem mais volume do que uma guitarra desconectada (que tem corpo sólido e requer amplificação).


Construção

      O corpo do violão é essencialmente uma caixa oca. A parte de cima, ou o tampo, é feita de madeira forte e leve, normalmente é usada a Sitka Spruce para os violões de cordas de aço. Sua função é ressoar livremente e gerar som.

A parte de trás do violão e suas laterais curvas têm uma função diferente: em vez de serem leves e flexíveis, elas precisam proporcionar estrutura firme e projetar o som para o ouvinte. Por estes motivos, elas normalmente são feitas de madeira forte e densa, como jacarandá ou mogno. O braço do violão geralmente é preso ao corpo com um encaixe colado, apesar de alguns fabricantes preferirem um design aparafusado. Os braços de quase todos os violões modernos contêm uma haste fina, ajustável, de metal, conhecida tirante (truss rod). É usado para produzir uma forma ligeiramente curvada no braço que facilita o tocar.