24 março 2015

Aprenda a tocar violão e guitarra sem sair de casa, com material de estudos exclusivo!

Você quer aprender a tocar violão e guitarra em pouco tempo de modo rápido e sem complicações, e saber tudo o que é preciso para se tornar uma fera nesses instrumentos musicais e ainda contar com o suporte do Professor On-line para esclarecer todas as suas dúvidas, mas não tem tempo para freqüentar uma escola de música convencional? Se a sua resposta for afirmativa, você precisa conhecer o Grupo ArtMaia (www.artmaia.com) , que é especializado no ensino musical a distância. Com 12 anos de experiência formando talentos em todo o Brasil! Para conhecer nossos cursos acesse:


16 março 2015

Curso de Violão e Guitarra - Como manter o seu violão em perfeitas condições


   No artigo de hoje iremos ver algumas dicas e técnicas para manter o violão sempre em perfeitas condições. Você sabia, que certos costumes ajudam a preservar o seu violão e deixá-lo sempre em bom estado para uso? Você sabia também, que manter o violão afinado, além de ser obrigatório para o estudo (e bom para os ouvidos), mantém a estabilidade do mesmo? Seu violão pode durar anos e mais anos com muita qualidade só por causa disso!
   Por acaso você está se perguntando, o que a ver a afinação do meu violão, com o estado de conservação dele? E eu respondo: Tem tudo a ver, pois as cordas, quando fazem muita pressão sobre o braço do violão, aos poucos vão tirando-o de sua posição original, ou seja, a tensão das cordas pode literalmente entortar o braço de seu violão. Esse fenômeno é conhecido como “empenar”.
Fora essa dica, é fundamental você deixar sempre um pedaço de pano (serve uma camiseta velha de algodão) ao lado do seu instrumento, pois é sempre bom limpar as cordas durante um treino e outro. (todos os dias depois que você utilizar o seu violão, procure passar um pano nas cordas).
Mesmo que você não perceba a marca de suor nas cordas, passar um paninho nelas garante uma durabilidade muito maior, pois existem outros fatores que desgastam as cordas do seu violão, um deles pode ser a umidade.
Caso você tenha problemas de transpiração excessiva, esse processo deve ser feito várias vezes durante o estudo, alguns minutos de suor excessivo sobre o seu violão, podem causar danos no verniz e nas cordas, oxidação prematura.
Procure também sempre limpar bem as mãos antes de tocar, gordura, oleosidade e até mesmo pedacinhos de chocolate, consumido durante o almoço, podem se transformar em uma grande sujeira e, desta forma, alterar o som e a higiene do violão. Agora que você já tem uma noção melhor de como cuidar bem do seu violão, deixe-me falar sobre outros fatores que prejudicam e muito a vida útil do seu companheiro!

Temperatura e umidade


A madeira, por ser um material orgânico, tende a trabalhar de acordo com as variações de temperatura e umidade. Já que este último entrave não pode ser controlado, é preciso ficar atento a possíveis rachaduras que podem surgir por causa dessas mudanças. Isso é comum em violões construídos com jacarandá-da-bahia, pois é um material com estabilidade relativa, apesar de possuir excelente sonoridade.
Além disso, é necessário redobrar a atenção com as altas temperaturas. Elas podem trincar tampos e rachar laterais e fundos, além de empenar o braço do violão.

Transporte


Esta tarefa parece muito simples. Mas, se não for feita de maneira adequada, pode acarretar muitos problemas. O transporte mal executado, com batidas e chacoalhadas, danifica o instrumento. Por isso, se o proprietário não possuir nenhum bag (capa) ou case, a melhor maneira de carregá-lo é junto ao corpo. Assim, o violão fica em uma posição mais segura.

Concluindo


Memorizar todas as dicas desta aula não é uma tarefa difícil, sendo assim, você sempre deve ter consciência e responsabilidade que o investimento feito ao comprar o violão, não deve ser perdido com o passar do tempo.
O cuidado com o próprio instrumento, além de garantir que ele esteja sempre em boas condições de uso, mantendo a integridade física, a performance e afinação, garantirá maior durabilidade. Há diversos músicos que mantêm, em ótimo estado, instrumentos da década de 70, 60 e até mesmo 50.

Fonte: Guitar Classroom